Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viagens por dentro dos dias

Blog em torno de literatura, arte, viagens, etc.

Blog em torno de literatura, arte, viagens, etc.

02.10.22

CM de Salvaterra de Magos.jpg

Segundo escreve o Notícias do Sorraia, as actuais Uniões de Freguesias do concelho de Salvaterra de Magos querem voltar ao modelo antigo. Ou seja, voltarem a ser quatro freguesias. Defendem que assim estão mais próximas das populações. Não sei se estão mais próximo das populações, mas adivinho que se vão abrir oportunidades para mais presidentes e secretários de Junta e das assembleias de Freguesia. É preciso dar oportunidade aos boys regionais. Nos meios pequenos será uma forma de promover o emprego estatal e agradecer aos militantes locais. A Assembleia da República vai dizer de sua justiça. Continuando a ser adivinho parece-me que a proposta irá ser aprovada. Talvez não seja para já, mas em próximas eleições autárquicas. O processo interessa a todos os partidos representados nas freguesias. É a contra-revolução autárquica em nome dos boys?  

23.09.22



Os homens e as mulheres que dormem na rua, meus concidadãos, são a face mais visível de uma miséria que preferimos não enxergar — porque incomoda e nega os princípios essenciais de um estado democrático, social e justo. Vê-los magoa e humilha, revolta e envergonha. Mas um homem em chamas é uma outra coisa. É o sinal de um tempo sacana e torpe, de uma miséria moral, ética e civilizacional que vai fazendo o seu caminho e tem no ódio pelos desvalidos o seu sintoma mais sórdido, a despeito das outras tragédias que ainda estejam para acontecer nos brasis, nas hungrias, nas suécias, nas rússias, nas trumplândias, nas suíças ou nas itálias deste mundo soez.

 

Manuel Jorge Marmelo, jornalista e escritor, no seu blog "Teatro Anatómico", 22/09/22 (com a devida vénia).


Putin

um louco à frente de um arsenal nuclear?

21.09.22

Putin ameaça e depois recua. Entretanto, faz mais uns bombardeamentos, mas vai recuando e retirando os submarinos de Sebastopol com receio de que os ucranianos ataquem a Crimeira, o que já esteve mais longe de acontecer. Volta a ameaçar, querendo ter um poder que vem perdendo desde que iniciou a invasão da Ucrânia. Na Rússia há já movimentos de contestação da putinagem no poder e do seu soberano, bem como em pequenos países que saíram da esfera de Moscovo desde que Gorbatchev iniciou a Perestróica. Dizem que os seus generais se têm vindo a afastar dele. O problema é que o homem não é de confiança. É um produto dos serviços secretos que o educaram no molde da ex-União Soviética. Não se sabe quando pode desvairar de vez e com a ajuda de fidelidades próximas atacar com armas proibidas. A incógnita é o virús desta guerra. Por outro lado, não me parece que os ucranianos parem seja para o que for, sem terem recuperado todo o território que lhes foi usurpado. Não creio, infelizmente, que a paz esteja para breve.

Basta, porra!

Unam-se no que é essencial e discutam o acessório

13.09.22

Portugal é o melhor país do mundo. Mas é difícil acreditar no significado desta frase quando todos os anos o início do ano letivo varia entre o mau e o menos bom. O mesmo país onde de há anos a esta parte se vem degradando o SNS, com a fuga e transferência de médicos e enfermeiros, sem que se encontrem soluções para o caos que se avizinha. O mesmo país em que todos anos ocorrem fogos que põem em perigo pessoas e bens, além de arrasar grande parte da floresta. O mesmo país que anda há décadas a discutir onde se deve situar o novo aeroporto da capital, voando ao sabor da opinião de uns e outros, só com a preocupação de agradar a gregos e a troianos. Um país de comentadores de tudo, e de políticos de direita-centro-esquerda que o vêm governando ao longo de 48 anos sem conseguirem encontrar soluções práticas, eficientes, duradoras, que não obriguem a que todos os anos se repitam os mesmos desaires e ineficiências. Unam-se naquilo que é essencial e discutam o que é acessório. Façam qualquer coisa a favor de quem vos elege e paga. Qualquer coisa que não sejam medidas de recurso, servidas ao momento. Basta, porra!

Marta Temido

Uma mulher valente

31.08.22

Marta Temido não aguentou mais. Foram dois anos a enfrentar uma pandemia demolidora e agora o cerco do lobby da medicina privada a apertar por todos os lados. António Costa é especialista não só a funcionar como esponja que tudo engole, como experto a tirar o tapete aos que lhe são próximos, fazendo-o sempre com um sorriso bonacheirão. O problema do SNS divide-se em duas partes: a primeira, ligada ao contínuo desinvestimento do sector (com algumas excepções) de modo a oferecê-lo à iniciativa privada, a que acresce a fuga de profissionais que procuraram melhores condições de trabalho e salários. Conseguiram melhores salários, mas condições de trabalho é perguntar-lhes que eles respondem calando a voz; a segunda parte vem com a pandemia, um enorme esforço dos profissionais e um gasto económico não expectável. A seguir à pandemia e à vitória retumbante do PS, começa a efervescência da Direita para minar o SNS, a lutar com dificuldades. Marta Temido saiu-se muito bem da pandemia. Mas o não estar disposta a favorecer lobbies privados, fragilizou-a. António Costa só apareceu na época da pandemia (tal como Sua Excelência), porque são pessoas que não andam na vida política para dar borlas. Sozinha, Marta Temido concluiu que o melhor era afastar-se. Sem apoios e com uma tremenda responsabilidade para dar a volta a um SNS como um puzzle a desarticular-se e minado por dentro e por fora, não tinha outra saída. O cansaço também não ajudou. António Costa esfregou as mãos de contente e até talvez tivesse dado um empurrãozinho para a demissão da ministra. Vá lá a gente saber o que vinga na cabeça do primeiro-ministro. Marta Temido foi trucidada pelo sistema e pelos lobbies. Tenho pena. Foi uma mulher de armas, a quem presto a minha singela homenagem. Mas talvez não tivesse outra opção.

25.08.22

portugal-mapa.jpg

Portugal pode não ser o paraíso que todos nós, portugueses, ambicionamos. Mas podíamos ser mais assertivos na defesa do que é nosso, feito por nós, conquistado por nós, sofrido por nós. Um pouco mais de respeito por nós próprios fazia-nos bem.

05.08.22

Há cães que são tratados como pessoas e pessoas que são tratadas como cães. Vivemos numa civilização liderada pela pequena burguesia urbana, apostada, sem disso se dar conta, na construção de um retrocesso civilizacional, ignorando grandes valores históricos, conquistados com esforço e luta, para viver subjugada pelos gurus das redes sociais e pela adoração da própria imagem e da alheia.

A guerra

só serve os fabricantes de armamento

04.08.22

Há gente a brincar com a vida de biliões de pessoas, não se dando conta que um simples erro pode ser fatal para todos ou para uma expressiva maioria. E há algumas pessoas com o dever de desmobilizar aquela gente e nada fazem, limitando-se a um discurso inócuo.

25.07.22

Os canais televisivos são uma chatice. Mudamos de canal e estão todos a repetir-se, sejam a mostrar guerras infames, fogos devastadores, desastres, festas populares abrilhantadas por cantores carregados de pimbalhice, publicidade repetida, seja agora a roda de entrevistas a espremer a lágrima fácil a tutti quanti. Todos os canais se repetem exibindo imagens e atuações ou realidades idênticas, tiradas a papel químico, como se dizia no antigamente na vida. A concorrência não se faz pela busca da diferença, pela originalidade possível, mas por uma espécie de cartel onde está tudo programado para ser inútil, confrangedor e... igual. É a globalização em que uma mão cheia (ou duas) de "fundos" e oligarcas, manobram a vida das populações anestesiadas pelo medo e abanadas a toda a hora por grupos de idiotas que se acham superlativos nos seus comentários sobre tudo, dizendo nada.

22.07.22

Este país (este mundo) anda numa roda livre. Não há respeito por nada nem por ninguém. Estamos nas mãos de minorias aguerridas e do politicamente correto. Ou repetimos os chavões dessas minorias, que a CS reproduz a toda a hora, ou somos tratados como excedentes.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D