Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mar de magoito

Blog de António Garcia Barreto. Literatura & etc.

Blog de António Garcia Barreto. Literatura & etc.

31.03.21

DONA REDONDA E A SUA GENTE

Dona Redonda.jpg

Dona Redonda é a personagem das novelas juvenis de Virgínia de Castro e Almeida, intituladas "História de Dona Redonda e Sua Gente" e "Aventuras de Dona Redonda", ambas publicadas em 1.ª edição no ano de 1943, pela Clássica Editora (se a memória não me falha). Dona Redonda divide a primazia de ser personagem central destas obras juntamente com Dona Maluka, e as crianças  Chico (português), Dick (inglês), Franz (alemão) e Zipriti (menina mulata). A escolha destas personagens não foi naturalmente feita ao acaso. Estava-se em plena II Guerra Mundial e a nacionalidade das crianças alemã e inglesa, que se tornam amigas, tem um significado. E, claro, Chico, o menino português anfitrião que vai justificar as referências à nossa História, onde há lugar para Zipriti, a menina africana. A ideia da autora quanto a estes livros era que fossem "um ensaio de humour ao alcance das crianças latinas". Gostaria ainda a autora que estas obras - a primeira, sobretudo, dado que foi para ela que escreveu o prefácio - influenciassem o leitor português, tal como "Alice no País das Maravilhas", de Carroll, influenciou aqueles que leram a obra, na sua época. O encontro das personagens dá-se num extenso pinhal, primeiro os rapazes, depois estes e a Zipriti e, por fim, conhecendo Dona Redonda e Dona Maluka. Daqui às aventuras entre todos é um passo. Algumas destas aventuras são repassadas de História de Portugal, outras de pura imaginação, aqui e ali com uma piscadela de olho a Salazar e às maravilhas do Estado Novo. As novelas estão escritas com desenvoltura, numa linguagem que agarra o pequeno leitor, socorrendo-se de abundantes diálogos.

António Garcia Barreto in "Dicionário de Literatura Infantil Portuguesa", Campo das Letras, Porto, 2002

30.03.21

CA0FF2CE-511F-46E3-909B-58E1B82A324A_1_201_a.jpeg

E se de repente a vida desse uma cambalhota e nada fosse como dantes? É assim que se sente Tomás, o protagonista desta estória. Tomás é um adolescente igual a tantos outros. Vive uma vida tranquila, estuda e faz o que fazem os amigos da sua idade. Chega um dia, porém, em que um acontecimento destabiliza o seu dia-a-dia. Apercebe-se de que a vida não é tão estável como pensa. Há obstáculos inesperados que os adultos têm de enfrentar.  Como, por exemplo, ficar desempregado tendo à sua responsabilidade uma família.

Edição Grupo Narrativa

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D