Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



14
Abr21

Pandemia e esperança

por António Garcia Barreto

Houve um tempo (antes da pandemia) em que as pessoas, com algumas posses e muita curiosidade, passavam parte das suas férias ou da sua reforma viajando pelo mundo, captando com os seus smartphones imagens de monumentos, paisagens, locais, etc. Por vezes, ao tirar uma fotografia o que mais se apanhava era um ramalhete de pessoas também elas a tirar fotografias a um monumento: à Torre de Pisa, por exemplo, ou ao Grande Canal, em Veneza, sei lá. A nossa fotografia espelhava a fotografia dos outros turistas, nisso que é depreciativamente designado como turismo de massas. A pandemia cerceou quase na totalidade essa possibilidade de ser feliz. Ou de dar espaço a que um pouco de felicidade se manifestasse dentro de cada um de nós. Diz-se que a felicidade não tem história. Mas a infelicidade tem. Esta pandemia que nos calhou em azar viver (ou morrer) pode ser vista como um momento, não digo trágico, porque há piores momentos na História do Mundo, mas um momento de infelicidade coletiva atual. Ainda não é do domínio da História, mas é da Sociologia. Não percamos, todavia, a esperança, pois ela é o único sentimento (único mal, diz o mito) que ficou na Caixa de Pandora. Todos os outros males libertaram-se da Caixa e andam pelo mundo a fazer das suas. Como a pandemia atual.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ