Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



20
Mai20

Hedonismo

por António Garcia Barreto

Na linguagem de todos os dias, a noção de hedonismo designa uma inclinação amoral pela vida dada ao prazer, senão ao vício. O que é inexacto, claro: Epicuro, o primeiro grande teórico do prazer, compreendeu a vida feliz de uma maneira extremamente céptica: experimenta prazer aquele que não sofre. É o sofrimento que se torna assim a noção fundamental do hedonismo: somos felizes na medida em que sabemos afastar o sofrimento; e como os prazeres trazem muitas vezes mais infelicidade do que felicidade, Epicuro recomenda apenas prazeres prudentes e modestos. A sabedoria epicuriana tem um travo melancólico: lançado na miséria do mundo, o homem comprova que o único valor evidente e seguro é o prazer, por magro que seja, que ele próprio possa experimentar: um gole de água fresca, um olhar para o céu (para as janelas de Deus), um afago.

Milan Kundera in “A Lentidão”, Edições ASA, Porto


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ