Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



07
Abr21

COVID-19 e o marimbanço

por António Garcia Barreto


Avisam-nos que vamos tomar a vacina da Pfizer e chegados ao local dão-nos a da AstraZeneca. Quando se questiona a situação dizem-nos que ali só dão as vacinas. Toda comunicação com as pessoas não parte daquele local. E pronto. O R(t) já está em 1. Ou seja, entrámos na zona amarela como era de esperar. Os restaurantes já fizeram saber que as pessoas tiram as máscaras nas esplanadas e raramente as voltam a colocar. Eles não sabem como atuar, porque as pessoas não respeitam as suas indicações. Quer dizer: a epidemia é mal que já lá vai. Ficou só a habitual falta de civismo e de bom senso, que importava conservar por mais algum tempo.


06
Abr21

O futuro é hoje

por António Garcia Barreto

Quem se preocupa muito com o futuro não vive o presente.

(anónimo)

04
Abr21

O incerto

por António Garcia Barreto

"O incerto é parte da vida. Não temos uma bola de cristal."

poetry-siir ©

03
Abr21

SATU & C.ª

por António Garcia Barreto

Isaltino de Morais criou, anos atrás, em Oeiras, um elevador não tripulado chamado SATU, que ligaria a estação de CF de Paço de Arcos ao Lagoas Park, Tagus Park e ao Cacém, numa fase ulterior. O simpático monstro que circulava sobre as nossas cabeças nunca passou do Shopping de Oeiras, ou seja, não ligava a lado nenhum. Terminava abruptamente junto ao shopping. Acabou por ser um enorme flop. A gestão camarária anterior encerrou a circulação do SATU. Quando destas últimas eleições falou-se que o SATU ia finalmente tomar caminho e servir as áreas inicialmente previstas. Soube-se depois que não seria assim. Não vai haver mais SATU. Dizem que roubaram os cabos. E agora? O inestético e inútil corredor onde circulava o SATU fica ali, formoso elefante branco, pairando sobre as nossas cabeças em forma de betão armado com carris? Com a obra atual junto à chamada "rotunda do Isaltino", que pretende desviar (e bem) o tráfego para a A5, junta-se o corredor inútil com o viaduto a envolver num abraço de cimento o Shopping Oeiras Parque. Uma beleza de arquitetura paisagística.

03
Abr21

Lombas e rotundas

por António Garcia Barreto

Num país de lombas e rotundas – a obra emblemática dos nossos autarcas – os automobilistas passam a vida aos pulos e a andar à roda. É recreio em nome da segurança. Porque quando eu acabo de passar duas lombas seguidas numa rua direita e entro noutra a descer, num dia ventoso, e vejo um contentor de lixo passar à minha frente em acelerada velocidade, obrigando-me a uma travagem de emergência, isto já não é recreio. É insegurança sem lombas. O contendor devia estar travado em espaço próprio. E as lombas anteriores não fazem lá falta nenhuma.

02
Abr21

É Perigoso Brincar com os Beijos

por António Garcia Barreto

Spot publicitário na SIC MULHER, em 02/04/21, ao romance

É PERIGOSO BRINCAR COM OS BEIJOS, publicado pela Astrolábio Edições.

01
Abr21

A "Malta" com o DN e o JN durante o mês de abril

por António Garcia Barreto

A MaltaDN.jpg

Entrevista de Maria João Martins no DN de hoje. Referência ao lançamento de A Malta da Rua dos Plátanos em conjunto com os jornais DN e JN a partir do próximo dia 04/04, e durante todo o mês, para comemorar o 25 de Abril e por apenas + 8 euros.

 

01
Abr21

Ler de tudo um pouco

por António Garcia Barreto

A vantagem de ler amplamente, em vez de tentar formular uma série de regras gerais, é que aprendemos que não existem regras gerais, apenas exemplos individuais para ajudá-lo a apontar a direção que você pode querer seguir.

Francine Prose, escritora EUA

01
Abr21

Estórias curtas

por António Garcia Barreto

Um dia, numa ida ao dentista, a médica que me assistia disse-me que um dos meus dentes do siso, do qual não tinha queixas, estava a babar uma purulência qualquer não visível a olho nu. Só a radiografia à boca revelou a situação. Havia que extrair o dente. Marcámos dia e hora. Lá me apresentei. Sentei-me na cadeira, bochechei a boca e a médica anestesiou-me a zona. Passado pouco começou a extrair o dente do siso. Surge um problema. A médica não tinha força para fazer a extração (situação idêntica ocorreu de outra vez com outra médica com o outro dente do siso). Então a médica chama um colega da sala ao lado, um tipo mastodonte. Mais anestesia. O mastodonte encosta a barrigona à minha cadeira, dá um puxão com o extrator, os meus óculos voam do meu rosto aterrando no colo da médica que estava sentada ao meu lado, e o dente ficou no mesmo sítio, embora já um pouco abalado. Vem outro médico, mais novo, repete o gesto e o dente nem mexeu. É então que a médica se lembra de chamar um colega brasileiro de outra sala (era uma clínica grande, de uma grande companhia), que possuía um extrator feito por ele ou por ele aperfeiçoado. O médico brasileiro apareceu sentou-se ao meu lado, usou o seu extrator com saber e subtileza e extraiu-me o dente com mãozinhas de veludo. Não houve palmas para o médico. Mas todos reconheceram que o seu extrator era uma maravilha. Neste jogo clínico Portugal perdeu 3 - 1 com o Brasil.

Pág. 4/4



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ